3/8/09

fui rio

image by Leenda K on Fickr


a água corre do centro da montanha. fio de água.

tal eu corri do centro de uma mãe. fio de gente.

depois cresce com as chuvas. engrossa o caudal. transborda terras

contrói vida ou destrói as posses dos humanos. distraídos

com a força do que é natural

acelera ou abranda esse correr conforme as estações

no Verão parece até parar. se não se deitar o ouvido em terra

a auscultar o murmurar da água em curso leve.


como eu, até nesse parar de Verão, me sinto rio!


mas é no mar que parece terminar a história do que

não se evaporou pelos caminhos

do que não foi sorvido pela boca dos sedentos

do que não virou trigo ou tornou mais frondoso

o rosto de árvore.

aí não nos parecemos - rio e eu

eu não produzi nada que dê sombra ou pão


fui dar ao mar. como milhares de outros cursos desaguantes

e fico a arredondar pedras no vaivém das marés

numa praia qualquer.

9 comments:

  1. ._______querida Madalena


    .como admiro a forma dos "sentidos"____através das tuas palavras________...


    ____________///






    beijO____ternO

    ReplyDelete
  2. Obrigada__ Amiga.

    Soubessse eu escrever mais Racioalmente.

    Era feliz.

    Para isso existes Tu. :)

    ReplyDelete
  3. Realmente ler você faz bem a minha alma. É quase possível ouvir os sons das marés.

    um beijo com carinho

    dellinha

    ReplyDelete
  4. Della, eu confio em ti mas o teu carinho torna-te suspeita. :)
    BJs, Obrigada. Sempre.

    ReplyDelete
  5. *
    regato evaporado,
    nas maresias voláteis
    fugindo á foz,
    maresias,
    lágrimas das marés,
    que alimentam as algas
    nas pedras redondas
    sedentas de mar,
    ,
    brisas de amizade, deixo,
    ,
    *

    ReplyDelete
  6. Obrigada a todos!

    Poucos mas bons. Foi sempre assim que quis e consegui.

    Visito os outros sim quando a coluna não me dói. Mas ando pouco ispirada para falar de obra alheia...

    Recomeço a trabalhar segunda-feira, meio dopada ainda para as dores mas, estou farta de estar em casa.

    Esperemos que o meu "crominho de estimação" entenda que não vou poder estar 7 horas seguidas no PC (enquanto ele estica as pernas e diz: "Isto vai ter de se fazer...").

    Pois Buana, apetece dizer (e se fizesse alguma coisa para dar o exemplo?).

    Ainda não disse mas, com as dores que senti e se elas voltarem, não sei se me calo desta.

    Desculpem ter fechado os comentários acima.

    Vocês têm o e-mail na página, usem e digam o que sentirem.

    É que não são todos os textos que eu gosto de ver comentados aqui.

    Entendem-me? Se não entenderem... perdoem. :)

    Bjs. Até breve.

    ReplyDelete
  7. Aqui venho sempre. Por vezes não a comento. Sou arredio, não repares. Mas nunca deixo de lêr. Esse novo sítio tem inspiração. Vem com força de Árvore. E aprecio isso.

    Um grande abraço

    D.

    ReplyDelete
  8. Olá.

    Não sabia o que ia encontrar quando me deparo com um "Buana"? Ou seria um "Genius Parvus" desses que adoram ficar vermelho quando somos nós a fazer a força? Assim é fácil, pois não? Entendo o que a distinta Senhora sente. Há muitos desses "crominhos de estimação" por aí a atrapalhar o nosso trabalho. Mas não há de ser por muito tempo. Logo, logo a parvoíce supera a "geniusalidade" e eles acabam por cair estatelados no chão, as cadeiras não aguentam por muito tempo as "pernas esticadas" e a preguiça deles em pensar e principalmente - Trabalhar.

    Voltarei. Quero saber as novidades.

    Um grande abraço e Parabén pelo bonito espaço.

    Bru

    ReplyDelete
  9. foste rio ,hoje és mar

    é ,apenas ,como posso descrever o teu rio/blogue em fim de caudal
    e
    como te vejo renascer
    ,cada vez melhor
    ,num novo blogue

    .
    um beijo ,quemadre

    ReplyDelete